Pesquise Aqui!

Custom Search

Respeite o Blog!

O conteúdo aqui encontrado foi escrito por mim, com base em muito estudo, conversa com criadores brasileiros e estrangeiros, consultas com veterinários e com especialistas em roedores e animais exóticos. Nos meus artigos eu passo um pouco da experiência que adquiri desde 2003 criando esquilos da mongólia, então não roube o meu material, pois isso é crime. O intuito aqui é ajudar os gerbils e seus donos! ^_^

Comedouro ideal

Oi! Resolvi fazer esse post porque muita gente tem dúvidas ainda... E principalmente os novos tutores de gerbil, que acabaram de pegar seus bichinhos, acabam comprando o comedouro errado e passando mais bocados. Mal sabem que na pior de todas as hipóteses, lembrando que a gaiola nunca pode ter grade no fundo, a ração pode ser colocada no fundo sem comedouro, em um cantinho.

Apesar de amarem enterrar a comida, o uso de comedouro é legal para evitar desperdício e que a comida fica suja de dejetos. 

QUAL O MATERIAL DO COMEDOURO?

Basta ir em uma petshop que a gente encontra milhares de comedouros diferentes, né? Pois bem, lembre-se que os gerbils são roedores e que roem muuuuuito mais que os hamsters. Qualquer coisa que você coloque na gaiola deve ser a prova de mordidas! Então só temos 3 opções de material: 
1 - Vidro
2 - Metal
3 - Cerâmica / Argila
4 - Cerâmica Esmaltada

Comedouros de plástico ou acrílico serão destruídos na primeira noite. Então por mais lindos que sejam não compre!



QUAL O TAMANHO E FORMATO IDEAL?

O tamanho ideal é aquele em que o gerbil pode sentar na bordinha para comer e consiga alcançar o fundo do comedouro para escolher a ração. Então nada de comedouros muito fundos! É importante também que o gerbil não consiga entrar no comedouro para dormir lá. Caso isso aconteça, além de dormir nos primeiros dias o gerbo vai começar a usar o comedouro como banheiro, comendo e fazendo os outros comerem ração com fezes e xixi. Se você for limpar o comedouro e perceber que tem ração ou pó grudado no fundo dele, é sinal que alguém andou urinando ali. Nesses casos você deve retirar o comedouro e deixar sem alguns dias ou colocar um diferente.

O formato do comedouro deve ser bem firme, para que o gerbil não consiga virar. Nunca coloque o comedouro no segundo andar da gaiola pois seus gerbils vão empurrá-lo e jogá-lo para o fundo. Se alguém estiver passando embaixo e receber um comedouro pesado na cabeça pode morrer.

QUAIS COMEDORES VOCÊ INDICA?

Vou listar aqui os comedouros que eu uso ou já usei com sucesso, ok?
Primeiro os comedores específicos para roedores:


1 - Comedouro de metal comum, leve mas que não pode ser virado pelo gerbil.
2 - Comedouro de metal com areia no interior. Pesado, não pode ser virado nem arrastado, mas costuma ser grande demais para as gaiolas.
3 - Comedouro de argila e pedra. Pesado, não pode ser virado nem arrastado. Se os gerbils roerem não vão conseguir destruir e ainda podem desgastar os dentes.
4 - Comedouro específico para roedores pequenos, de cerâmica esmaltada (semelhante à uma xícara). Por ser bem achatado é impossível do gerbil virar. 

Agora, se você não tem, não conseguiu comprar, ou não quis um comedouro específico para hamster ou gerbil, temos aqueles itens que servem de comedouro. Esses eu sempre utilizei e não abro mãos. Gerbils amam vidro e usam ele para se refrescar no calor.


CINZEIRO DE VIDRO - O cinzeiro de vidro é barato e costuma vender em supermercados e mercadinhos. Ele é bem achatado e não pode ser virado, possue a borda larga, perfeita para o gerbil ficar sentadonho enquanto come. Limpo, bonito e confortável para seus animais.

POTINHO DE VIDRO - Eu uso esse potinho da foto que é do patê da Sadia. Ele é um pote de vidro do tamanho ideal. Não é muito fundo, não é muito grande, não tomba e não ocupa muito espaço. Ele também suporta mais ração que o cinzeiro, ideal para quem tem muitos gerbos. O patê da Sadia é esse aqui da foto, comprado em qualquer supermercado.


Para se ter ideia do tamanho do pote de patê, resolvi tirar estas fotos! Ele em comparação à minha mão e já com ração no terrário. 





Texto: Vivian Roncon